segunda-feira, 25 de abril de 2016

O movimento religioso do Santo Daime

video
O movimento religioso do Santo Daime
Começou no interior da floresta amazônica, nas primeiras décadas do século XX, com o neto de escravos Raimundo Irineu Serra. Foi ele que recebeu a revelação de uma doutrina de cunho cristão, a partir da bebida Ayahuasca (vinho das almas), por nós denominada Santo Daime.
A bebida, de uso bastante difundido pelos povos indígenas da região, é obtida pela coccão de duas plantas, o cipó Jagube (banesteriopsis caapi) e a folha Rainha (psicotrya viridis) ambas nativas da floresta tropical. Ela tem propriedades enteógenas, isto é, produz uma expansão de consciência responsável pela experiência de contato com a divindade interior, presente no próprio homem.
Segundo o próprio Mestre Irineu, ele recebeu essa Doutrina através de uma aparição de Nossa Senhora da Conceição, em uma das primeiras vezes que tomou a bebida, na região de Basiléia, Acre. Os hinos do Mestre, que ele começou a receber a partir do começo da década de 30 trouxeram uma forte ênfase nos ensinos cristãos e uma nova leitura dos Evangelhos à luz do Santo Daime, para afirmar, nos tempos de hoje, os mesmos princípios de Amor, Caridade e Fraternidade humana.
Histórico Institucional
Nossa Igreja é um broto de quase 30 anos, nascida no tronco representado pelo Mestre Raimundo Irineu Serra, nossa árvore sombreira. Depois da passagem do Mestre, Sebastião Mota de Melo levantou sua Igreja no local denominado Colônia Cinco Mil em Rio Branco, Acre. Em 1974, foi registrado no cartório dessa cidade o Centro Eclético da Fluente Luz Universal Raimundo Irineu Serra e publicado seus primeiros estatutos, de cunho eminentemente regionalista.
Em 1989, durante o primeiro Encontro das igrejas daimistas no Céu do Mapiá, foi aprovado o novo Estatuto do CEFLURIS, que passou a ser uma entidade âmbito nacional. Esse estatuto era mais avançado que o primeiro e já previa os desdobramentos da entidade ao nível internacional.
Continuamos a fazer ajustes e correções, amadurecendo pouco a pouco o nosso projeto institucional atual. As décadas de 80 e 90 nos trouxeram a consolidação do processo de legalização de nosso sacramento, a institucionalização do nosso movimento religioso e diversas demandas e experiências na área social e ambiental.
Em 1994 iniciaram-se novos estudos e consultas, por parte da Diretoria então eleita, no sentido de formular o novo formato institucional definitivo. Em 1997, por ocasião do IX Encontro das Igrejas na Comunidade Céu da Montanha em Mauá, consagrou-se o principio de separação entre as instâncias espiritual / religiosa e social / financeira / administrativa. Foram criados o embrião jurídico de uma Igreja e de uma organização não governamental.
Em julho de 1998, no X Encontro, constitui-se a ata de fundação da Igreja do Santo Daime, agora denominada Igreja do Culto Eclético da Fluente Luz Universal. A ela cabe zelar pela nossa Religião xamânica, esotérica e cristã; produzir nosso sacramento; administrar nossos jardins de cultivo das plantas sagradas e realizar os trabalhos espirituais previstos em nosso Calendário Oficial.
Já o trabalho de atendimento social e de planejamento, na área da Floresta Nacional do Purus, onde se encontra nossa comunidade, passou para o âmbito do Instituto de Desenvolvimento Ambiental IDA CEFLURIS que trabalha em cooperação com a Associação dos Moradores da Vila Céu do Mapiá (AMVCM).
Apesar de congregar basicamente os irmãos daimistas e dar suporte para a Igreja do Culto Eclético, as atribuições do Instituto não são de natureza religiosa. Ele busca promover a questão social e ambiental em toda a região da Amazônia onde estamos trabalhando hoje, nas calha média dos rios Purus, Juruá, o igarapé Mapiá e o rio Pauiní.
O Céu do Mapiá, nossa sede, uma vila florestal comunitária, desenvolve um importate papel junto a população ribeirinha carente que soma quase duas mil pessoas no entorno da Floresta Nacional.(link objetivos do instituto). Nos fundamentos espirituais da nossa Religião estão a consagração da natureza, nossa Mãe-Terra, dos Seres Divinos que habitam a Floresta e das plantas sagradas que usamos como sacramento.
Consequentemente, consideramos a questão ambiental e preservacionista como parte integrante do nosso ideário espiritual. Dessa forma estamos vendo se ampliar o papel da nossa Igreja em todos os rincões do globo, numa manifestação religiosa e cultural sincrética de grande significado, promovendo a Amazônia e as suas tradições culturais para todo mundo.
Enquanto isso, através do Instituto de Desenvolvimento Ambiental IDA/CEFLURIS, estamos tendo uma valiosa experiência e uma grande chance de entrar em contato com a riqueza e a diversidade da Amazônia. Com seu potencial futuro e com seu inerente drama que é hoje representado pela nuvens de incerteza que cercam esse grande ecossistema amazônico e que é vivido diretamente pelas populações tradicionais que nela habitam.
Configuração Institucional Atual
Nessa virada do 2000, reunimos quase 400 visitantes dos cinco continentes, que vieram participar dos festejos do final do ano e das reuniões do nosso I Encontro Mundial do Povo de Juramidam. Com ele, fechamos esse longo ciclo de 26 anos de aperfeiçoamento institucional. Nossa Igreja está constituída legalmente e sendo registrada no Cartório do Município de Pauiní/AM, assim como seus novos Estatutos e Diretrizes.
Foi formado um Conselho Superior Doutrinário de 12 membros, sendo três deles vitalícios e honoráveis:
Madrinha Rita - Conselheira;
Pad.Alfredo - Presidente e Mestre Imediato;
Pad. Waldete - Vice-Presidente e Comandante.
Também foi constituído um Conselho Administrativo de 3 membros para zelar pelo seu patrimônio.
Nosso Instituto também tem uma Diretoria Administrativa, um Conselho Fiscal e uma Secretaria Geral que compreende 4 secretarias: Associativa, Comunicação, Planejamento e Finanças. Com esse novo formato, estamos prontos para entrar no novo milênio e nortear nosso trabalho espiritual, comunitário e ambiental pelas próximas décadas.
Nossas Igrejas deverão estar se renovando e constituindo suas comissões locais. Estamos incentivando a formação de Conselhos para zelar pelo Ritual e pela Doutrina ao nível local Iniciaremos um Plano de Formação de Quadros e de dirigentes e estamos incentivando um maior rodízio de lideranças e de funções. Também estão sendo criados Conselhos Regionais e Nacionais de Representantes que deverão indicar os delegados da Assembléia de Representantes a se realizar no Encontro Anual de Igrejas.
As irmandades locais, por outro lado também deverão aproveitar a antiga estrutura e os laços associativos do antigo CEFLURIS e constituírem também as sessões locais e os escritórios regionais e nacionais do Instituto de desenvolvimento Ambiental IDA CEFLURIS.
Dependendo da característica de cada ponto ou comunidade, deverão criar uma rede de cooperação com as ONGs que já existem em nível local, conectando nosso trabalho na Amazônia com a preservação de outros ecossistemas.
Porém, começamos a nos debruçar agora na última parte da nossa reforma institucional, que compreende a formação e ampliação de uma cooperativa agro-extrativista que já se encontra em andamento. Ela tem como meta desenvolver vários projetos de desenvolvimento auto-sustentável nas áreas de desenvolvimento comunitário, saúde, educação, secagem de frutas, viveiros de mudas, banco de sementes, extração de óleos, artesanato, tecelagem, telecomunicação e etc.
É neste ponto que estamos, guardiões dessa floresta, querendo preservar não apenas a beleza e a diversidade de sua natureza, como também resgatar o sentido sagrado da sua existência

O que é nossa religião?

O Culto Eclético da Fluente Luz Universal é um trabalho espiritual, que tem como objetivo alcançar o auto-conhecimento e a experiência de Deus ou do Eu Superior Interno. 
Para tanto, se ultiliza, dentro de um contexto ritual tido como sagrado, da bebida enteógena  sacramental conhecida como ahyausca e que foi rebatizada pelo Mestre Irineu como Santo Daime. O uso de uma substância enteógena como sacramento parece ter feito parte das principais tradições religiosas da antiguidade e fornecido a base visionária de muitas das principais grandes religiões hoje existentes no mundo. 
Nosso culto litúrgico, que se resume em comungar, nas datas apropiadas, a bebida à guiza de sacramento, se denomina Eclético, por que suas raízes estão impregnadas de um forte sincretismo entre vários elementos culturais,folclóricos e religiosos.O uso do sacramento Santo Daime é relizado nas datas do seu calendário festivos, obedecendo as regras rituais que foram estabelecidas pelo Mestre Irineu e pelo Padrinho Sebastião. 
Um Conselho Espiritual dirige a Igreja e zela pela manutenção da tradição e dos princípios , ao mesmo tempo que procura adequá-las aos novos contextos .As principais festas do calendário religioso são os Hinários e os Feitios. Hinários são doze horas seguidas de cânticos e bailado em torno de uma estrela de seis pontas, ao som de diversos instrumentos e maracás. Feitios são as festas de produção do sacramento, quando toda a comunidade se mobiliza para fazer a bebida sacramental, que será consumida durante o calendário de trabalhos do ano. 
Outro elemento importante da espiritualidade daimista elaborada por Padrinho Sebastião foi a comunidade. A comunidade se constitui no ponto de referência comum para o trabalho espiritual de todos os membros. É a ela que deve retornar todas as boas aquisições que fazemos no nosso aprendizado espiritual.
A Doutrina do Santo Daime ou a Doutrina do Mestre Irineu, como também é identificada, nasceu dentro da floresta, brotou no seio do seu povo, uma gente muito humilde e digna. A sua mensagem, que se encontra reunida na forma de coleções de hinos recebidos pelos mestres e adeptos, prega o amor pela natureza e consagra o mundo vegetal e todo o planeta como sendo o cenário sagrado da nossa mãe-terra. 
Nosso trabalho mantém portanto vínculos muito profundos com a floresta e pela causa da sua preservação. Isso chega a ser uma questão de fundamento espiritual. Para desenvolver essa parte social e ambiental do trabalho da nossa Igreja na Amazônia, foi criado o Instituto de Desenvolvimento Ambiental Raimundo Irineu Serra que se empenha hoje em gerir e buscar parcerias para projetos de desenvolvimento auto-sustentável, numa região de quase 200. 000 ha de florestas, pertencentes a Floresta nacional do Purus, onde estamos assentados há cerca de 16 anos.

Origens

O movimento religioso do Santo Daime começou no interior da floresta amazônica, nas primeiras décadas do século XX, com o neto de escravos Raimundo Irineu Serra. Foi ele que recebeu a revelação de uma doutrina de cunho cristão, a partir da bebida Ayahuasca (vinho das almas), por nós denominada Santo Daime.
A bebida, de uso bastante difundido pelos povos indígenas da região, é obtida pela coccão de duas plantas, o cipó Jagube (banesteriopsis caapi) e a folha Rainha (psicotrya viridis) ambas nativas da floresta tropical. Ela tem propriedades enteógenas, isto é, produz uma expansão de consciência responsável pela experiência de contato com a divindade interior, presente no próprio homem.
Segundo o próprio Mestre Irineu, ele recebeu essa Doutrina através de uma aparição de Nossa Senhora da Conceição,em uma das primeiras vezes que tomou a bebida, na região de Basiléia, Acre. Os hinos do Mestre, que ele começou a receber a partir do começo da década de 30 trouxeram uma forte ênfase nos ensinos cristãos e uma nova leitura dos Evangelhos à luz do Santo Daime, para afirmar, nos tempos de hoje, os mesmos princípios de Amor, Caridade e Fraternidade humana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário